O parque das Palmas Chilenas

O principal atrativo do Parque Nacional La Campana fica por conta das centenárias Palmas Chilenas (Jubaea chilensis) que habitam a região. Estima-se que existam apenas 124 mil árvores dessa espécie em todo o mundo e metade delas está ali. Por isso, o parque é considerado uma área de preservação de alto valor ecológico e de fragilidade ambiental.

Preservação de Palmas Chilenas no Parque Nacional La Campana
Preservação de Palmas Chilenas no Parque Nacional La Campana

A seiva dessa árvore, nativa do Chile, é utilizada para produção do mel de palma (syrup). Hoje, a extração é feita a partir de uma poda que preserva a palma. No entanto, até 2008, para obtenção da seiva, cortava-se a planta pela raiz (que triste!).

Esse cenário, somado à coleta indevida dos “coquitos de palma” (sua semente) e outros fatores como incêndios florestais, explicam a escassez da Palma Chilena.

Acesso ao parque La Campana

Para chegar a partir de Santiago são cerca de 100 km ao norte. O acesso ao parque está muito bem sinalizado e é asfaltado. Apenas nos últimos dois quilômetros a estrada é de terra, mas em boas condições.

Estrada de acesso ao parque La Campana
Estrada de acesso ao parque La Campana

Chegamos pelo setor Palmas de Ocoa, passando por Hijuelas, mas o parque tem outras entradas. É preciso confirmar antes os acessos abertos em http://www.conaf.cl/parques/parque-nacional-la-campana/. Fomos em dezembro e o setor Granizo estava fechado para melhorias (de 13 de outubro a 24 de dezembro 18).

Próximo à portaria há estrutura com banheiros e espaço para picnic.

Tarifas e horários do parque La Campana

Um adulto estrangeiro paga 4 mil pesos para entrar no parque. São cerca de 23 reais.

Placa informativa com horários de funcionamento e preços
Placa informativa com horários de funcionamento e preços

As trilhas do La Campana

O setor Palmas de Ocoa tem duas principais trilhas. Uma leva até o Palmar Amasijo e a outra até uma cachoeira de 30 metros.

Os atrativos do setor Palmas de Ocoa
Os atrativos do setor Palmas de Ocoa

Ambas iniciam no mesmo ponto. São apenas 800 metros até o mirante Amasijo, com vista para o palmar.

Vista para o Palmar, no La Campana
Vista para o Palmar

Nessa parte da caminhada passamos por diversas palmas e paisagens bem interessantes misturando árvores e cactos enormes.

Vegetação desértica do parque La Campana
Vegetação desértica do parque La Campana

É uma flora diferente do que já tínhamos visto em outros parques nacionais do Chile, onde a vegetação costuma ser mais densa e em meio a rios ou lagos.

Veja o post sobre o Parque Radal Siete Tazasque fica poucas horas distante de Santiago.

Depois de mais um quilômetro de caminhada, as trilhas seguem em direções diferentes.

Escolhemos ir em direção à cachoeira. Eram mais 4 km (e fracassamos…).

A trilha até a cachoeira tem 6 km no total
A trilha até a cachoeira tem 6 km no total

A trilha não é bem uma trilha. É uma estradinha de terra, bem exposta ao sol e em aclive. O calor estava tão intenso, que não conseguimos ir até a cachoeira, que aliás, nessa época do ano, devia estar com baixo volume de água.

Trilha até a cachoeira
Caminho para a cachoeira

Dica importante:

Na época de verão, vá preparado para bastante calor. É um parque de clima bem seco e quente. Nós não levamos boné, fomos de calça, não levamos água suficiente e saímos tarde de casa, ou seja, o sol estava a pino! Se estivéssemos melhor preparados teríamos conseguido ir até a cachoeira.

E o nível de radiação do sol daquele dia era extremo (placa informativa da administração do parque)! Lembre de levar protetor solar.

Radiação solar durante a visita ao La Campana
Radiação solar durante a visita ao La Campana

Voltamos sem conhecer a queda d’água, mas honestamente, me senti muito satisfeita com a parte do passeio que fizemos, pois deu para ver, tirar foto e chegar muito perto das Palmas. São árvores imensas, lindíssimas, mas que, infelizmente, estão em situação de fragilidade.

A rainha do parque La Campana
A rainha do parque La Campana

Curiosidades sobre as Palmas Chilenas

–  Por sua composição vascular é considerada uma erva gigante.

– Pode alcançar entre 25 e 30 metros de altura.

– Seu diâmetro basal pode chegar a mais de 1,2 metro.

– Pode viver por mais de 500 anos.

Fonte: CONAF

Leia mais sobre os Parques Nacionais chilenos.

1 comentário Adicione o seu

  1. Esther Bonetti disse:

    Lindas!!! Elas se destacam muito na paisagem.

Deixe sua dúvida ou comentário!